BLOG DA COMISSÃO POLITICA CONCELHIA

.posts recentes

. ...

. Rua Dr Mota Pinto

. POLÍCIA JUDICIÁRIA NA CÂM...

. As estradas na Freguesia ...

. As Estradas na Freguesia ...

. A Ca(u)sa do Gaiato

. O MELHOR DO MUNDO SÃO AS ...

. Zona Industrial Fantasma

. Miranda do Corvo- Perigo ...

. Miranda do Corvo JS promo...

.arquivos

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

Sábado, 28 de Junho de 2008

MIRANDA DO CORVO 2001/2009 OU A OPORTUNIDADE PERDIDA.

Ao longo destes anos de maioria Social-democrata coligada com o CDS, que confesso que de CDS não conheço ninguém nesta coligação, Miranda perdeu uma oportunidade de crescer e de se desenvolver ao nível de outros concelhos.
Em jeito de balanço destes quase 7 anos, facilmente concluímos que Miranda perdeu qualidade, este executivo encerrou serviços como o espaço internet, limitou o funcionamento de outros, como as piscinas municipais cobertas e da Biblioteca. Prometeu um sem número de obras estruturantes para o nosso concelho e delas apenas vimos as promessas pois estas nem do papel saíram, até os locais servem para mais promessas, são disso exemplo o Parque de campismo que vai dar lugar ao centro Educativo, no local do Pavilhão Multiusos será agora (ou nunca) o jardim da paz. Por falar em paz, esta sim seria bem-vinda ao nosso concelho.
Estes exemplos demonstram bem o desnorte deste executivo, como se as promessas eleitorais não bastassem fazem-se novas, entretanto fazem-se também umas festas e mandam-se uns foguetes para o ar e vai-se mantendo o pessoal distraído. Entretanto o emprego onde as pessoas possam ganhar algo que chegue para sustentar a família, só se for nos concelhos vizinhos, porque no nosso o máximo que se pode almejar, são uns míseros cento e picos euros por mês.
Entretanto vai-se cantando aos sete ventos que “Miranda está mais bonita”, mas… isto só me faz lembrar o mau aluno, que no teste escrito faz uns bonitos desenhos para confundir o professor da falta de estudo.
Está na hora do nosso partido se unir e colocar uma equipa que possa governar Miranda com qualidade, fazendo obras que de facto sejam mais-valias para o nosso concelho, uma governação que ajude a desenvolver o comércio e indústria locais, que dê esperança aos jovens de conseguir emprego, que demonstre que as pessoas valem pelo que são e não pelo cartão que apresentam, onde as instituições são apoiadas pelo seu valor e não pela cor partidária dos seus dirigentes.
João Paulo Fernandes
28/06/2008
publicado por psmirandadocorvo às 10:41
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Junho de 2008

Governo do PS aposta nas acessibilidades

Como foi amplamente noticiado na comunicação social, o Senhor Primeiro-Ministro e o Senhor Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, presidiram, no passado dia 14 de Junho, em Conímbriga, à cerimónia de lançamento do concurso público internacional para a designada Concessão do Pinhal Interior, dando assim seguimento à Resolução do Conselho de Ministros que considerou esta concessão rodoviária um empreendimento prioritário.

A Concessão do Pinhal Interior, a desenvolver pela Estradas de Portugal em regime de parceria público-privada, terá uma extensão de 567 km e o investimento global será da ordem dos 772 milhões de euros. Este é, sem dúvida, um dos mais ambiciosos empreendimentos rodoviários lançados por este Governo.

A rede rodoviária assegura, em grande parte, o transporte de pessoas e mercadorias de e para qualquer parte do território. Por essa razão, as estradas desempenham um papel fundamental no desenvolvimento de qualquer região. Daí a importância do lançamento deste investimento que, no que a Miranda do Corvo diz respeito, vai de encontro ao previsto no programa eleitoral autárquico do PS em 2005.

O corredor do IC3 será aquele que o PS/Miranda sempre defendeu. Haverá uma ligação à Auto-Estrada A1 no nó de Condeixa e com a conclusão da EN 342 será reconhecido o papel fundamental desta via no desenvolvimento dos concelhos do interior do Distrito de Coimbra, os quais ao longo de muitos anos foram marginalizados pelos sucessivos governos.

O PS/Miranda enche-se de satisfação pelo facto desta iniciativa do Governo integrar as propostas eleitorais apresentadas em 2005. Pena é que a nova liderança nacional do PSD, de resto amplamente apoiada pelos seus pares de Miranda do Corvo, tenha vindo já colocar em causa todos os grandes investimentos que estão em marcha.

Mas o Governo não aposta só no desenvolvimento da rede rodoviária, também investe nos transportes colectivos, de modo a que os mesmos possam constituir uma boa alternativa ao transporte individual. Ora, um dos bons exemplos disso é o Sistema de Mobilidade do Mondego. A solução encontrada por este Governo, que nada tem a ver com a “não solução” do anterior Governo do PSD, irá beneficiar e muito os concelhos envolvidos no projecto.

Alguns de nós, ao longo dos anos, muitas vezes criticámos o projecto devido às fragilidades que o mesmo apresentava. Porém, o mesmo foi sendo corrigido e evoluiu para a solução actual, que parece ser a que melhor defende conjuntamente os interesses de Miranda do Corvo, Coimbra e Lousã. Além de constituir um elemento de integração e de reordenamento do espaço territorial dos três municípios, a solução encontrada é tecnicamente eficiente, amiga do ambiente e apresenta claras vantagens ao nível do conforto e da segurança dos utentes.

No entanto, o PS/Miranda lamenta que o PSD em Coimbra continue a boicotar o projecto não aprovando em definitivo o traçado proposto pela Metro-Mondego. De facto, o Sr. Presidente da Câmara Municipal de Coimbra, Dr. Carlos Encarnação, que tinha apontado o Metro-Mondego como o principal objectivo do seu actual mandato, parece estar a preparar-se para eleger a inviabilização do projecto como um dos objectivos da sua anunciada candidatura a novo mandato. Mas, talvez os munícipes de Coimbra possam pensar doutra forma e, em 2009, retirar a direita do poder na Câmara Municipal de Coimbra.

Em conclusão e por tudo o que foi dito, hoje não é tempo de ir para a rua, de dar cobertura a boicotes ou de defender profundas alterações ao projecto. É tempo, isso sim, de dar as mãos e de todos juntos contribuirmos para a concretização do Sistema de Mobilidade do Mondego.

27/06/2008
Miguel Baptista
publicado por psmirandadocorvo às 22:34
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 20 de Junho de 2008

Proposta apresentada na Câmara pelos Vereadores do Partido Socialista

O Decreto-Lei nº 104/204, de7 de Maio, aprovou um regime jurídico onde é reconhecida a responsabilidade dos municípios sobre a reabilitação urbana das zonas históricas, permitindo promover a sua reabilitação, recuperação e reconversão urbanística.
Este diploma prevê para esse fim a constituição de Sociedades de Reabilitação Urbana (SRU's).

Esta sociedade de capital exclusivamente público, mediante decisão dos órgãos Municipais, promove a reabilitação de zonas históricas.

Como sabemos a zona histórica da Vila de Miranda do Corvo apresenta um estado de abandono que exige uma intervenção tão célere quanto possível.

Assim, os vereadores do Partido Socialista propõem que seja feito um estudo sobre a viabilidade do Município constituir a Sociedade de Reabilitação Urbana da Vila de Miranda do Corvo, E. M., que terá como principal objectivo promover a reabilitação da zona histórica.

Miranda do Corvo, 6 de Junho de 2008

Os Vereadores do Partido Socialista

António Manuel Fernandes Simões

Mário Ricardo Lopes

Ana Maria dos Santos Marreco e Rosa de Gouveia

Esta proposta foi à sessão de Câmara no dia 19 de Junho de 2008, tendo os Vereadores do PSD concordado e proposto criar uma comissão onde o Partido Socialista estará representado pelos engenheiros António Simões e Ricardo Lopes que irá estudar a viabilidade da futura SRU.

Foi, portanto, uma proposta aprovada por unanimidade.
publicado por psmirandadocorvo às 20:57
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Junho de 2008

A solidariedade não se compra no talho!

A minha Miranda tinha que ser reconhecida por algo mais importante, do que a boa chanfana, bolas é a minha terra é a nossa terra!
Passaram mais de três anos desde que escrevi um pequeno texto onde manifestei o desejo que Miranda fosse desenvolvida com politicas no sentido ser designada a Capital Nacional da Solidariedade, porque acredito que independentemente das opiniões politicas ou religiosas a componente cívica e solidária, fazem culturalmente parte de todos os Mirandenses.
Apesar de pessoalmente não dispensar de quando em vez, uma boa “chanfanada”, regada pelo excelente vinho de Lamas e acompanhada com broa caseira da “Ti Clotilde”, sempre pensei que Miranda do Corvo não podia ser só a Capital da Chanfana.
- “Então Mário Gama, a tua Terra é Capital Nacional, Mundial ou Espacial da Chanfana?
- “Então Mário Gama, já que estás em Poiares prova aqui a verdadeira chanfana, lá em Miranda comes é um guisado de carne de cabra velha! Hi. hi - riso irónico e brincalhão do Presidente Jaime Soares, o verdadeiro culpado disto tudo! - Já que estás aqui vou mostrar-te o parque industrial, e ao ouvido às duas da manha me foi dizendo alguns meses atrás – Estamos agora no lote onde vai ser instalada a fábrica de enchidos da tua terra, agora vamos ver as obras do “aeroporto” de Poiares o Jardim das Palmeiras etc., etc. – orgulhos e vaidades de um Presidente.
Bolas, já chega! Perdemos o barco, lamentei desde início e sempre perguntei quem teve esta “macabraideia” de Miranda Capital da Chanfana.
Porque não promovemos antes, uma Região Demarcada da Chanfana, dinamizava e promovia o turismo e a economia de vários Concelhos.
Sem demagogia, o actual Executivo de Miranda, não conseguiu fazer no meu ponto de vista o mais importante, criar riqueza, promover a industria o emprego e efectuar obras verdadeiramente estruturantes para ao nosso concelho. Não aumentou o tecido empresarial, não realizou as prometidas acessibilidades rodoviárias e ferroviárias para os centros urbanos, mas aumentou o preço da água e os impostos municipais.
Agora que os Mirandenses já não tem o dinheirinho necessário para comprar a “cabra velha” e o vinhito para confeccionar tão típico repasto, o executivo pensou, pensou, pensou e decidiu. - È agora ou nunca! vamos ser uma Terra Solidária! - Temos o apoio do Prof. José Hermano Saraiva; – Sim é agora o momento certo! Quando o rendimento familiar está no limite da sobrevivência, o tecido empresarial não existe, só nos resta identificar os Mirandenses como solidários, é assim que os mais carenciados sobrevivem nas graves crises, nas guerras e catástrofes.
Estou verdadeiramente feliz, até que enfim que somos uma Terra Solidária, agora ninguém nos segura, temos uma bandeira, a da Solidariedade, sempre é mais nobre e eticamente correcta em tempos de crise, e quando já muitos Mirandenses só se lembram do cheiro da chanfana , estamos com sorte, a solidariedade não se compra no talho! Boa.
- Terras Solidárias, Minhas Senhoras e Meus Senhores de Miranda do Corvo, não são só as que possuem algumas infra estruturas de apoio aos jovens, às mulheres e aos idosos, são também aquelas terras em que o poder actua com políticas de desenvolvimento, perante as necessidades dos restantes cidadãos, os que trabalham; os que querem trabalhar e não têm emprego; os que querem deslocar-se facilmente não têm trem, não têm metro, não têm ponte no Cabouco e não têm alternativa nas Vendas de Ceira de acesso á estrada de Beira.
O mais grave, é esta Terra Solidária que só motiva a implantação de grandes supermercados, mas não motiva aqueles que tem objectivos e vontade de investir na Industria transformadora, enfim produzir algo, criar riqueza e postos de trabalho.
Aqui está a verdadeira e diferente visão de igualdades de oportunidades e de solidariedade ao alcance de todos para o nosso Concelho.
Perceberam a diferença? Ainda bem.
José Mário Gama – 17-06-2008
publicado por psmirandadocorvo às 17:59
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 16 de Junho de 2008

Águas cada vez mais turvas

Desde há muitos anos que a água, no concelho de Miranda do Corvo, tem sido arma de arremesso para se conquistarem mais alguns votos junto dos munícipes/eleitores. Se o anterior executivo era criticado por não investir no sector das águas, por não publicitar as análises ou até por ser negligente, o actual aguarda ansiosamente as obras das Águas do Mondego para ter água com qualidade e em quantidade. A partir de 2010, mais coisa menos coisa, a única preocupação será só cuidar da água das piscinas porque nas torneiras não faltará.
Grande parte das famílias da vila já instalou filtros nas suas casas, já se habituou a comprá-la no supermercado ou, para poupar, juntou aquela molhada de garrafões e foi à nascente enchê-los com o precioso líquido convencidos de que é água potável. Mesmo que não seja, desde que não tenha cor, cheiro ou sabor, tal como nos ensinaram na escola, está em condições de ser consumida e não venham lá com esquisitices porque o que não se vê, não se sente.
Mas infelizmente nas nossas torneiras, por todo o concelho, continua a jorrar água turva, a cheirar e a saber mal. Quando fervida deixa nas paredes dos recipientes um depósito tão grande de impurezas que só de olhar desanima qualquer humano de a consumir. Mas a verdade é que é esta a água que pagamos por boa, que na factura ao longo de dois meses vai subindo impiedosamente de escalão. Mas não deviam ser os munícipes a pagá-la porque « Se um comerciante de bens alimentares vende um produto impróprio ou com prazo de validade ultrapassado sujeita-se às devidas consequências legais podendo, em determinadas circunstâncias, ser acusado de crime contra a saúde pública, através da fiscalização de diversos organismos do Estado, desde a Inspecção das Actividades Económicas até ao Ministério Público (naquele tempo não existia a ASAE – nota minha). Em Miranda é a Câmara que vende um produto impróprio com riscos para a saúde das pessoas e das crianças ».
Moral da história: Actualmente, desde que se cumpra a lei informando os consumidores com avisos afixados nos fontanários, de que a água não é controlada sendo, por isso, imprópria para consumo humano, os responsáveis autárquicos já podem dormir descansados. Mesmo que essa água vá entrar directamente no circuito de abastecimento!
Texto da autoria da vereadora do PS, Profª Ana Gouveia, publicado no Diário As Beiras.
publicado por psmirandadocorvo às 10:28
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Pecados esquecidos…

Fui presenteada com um conjunto de recortes de jornais, onde é fortemente criticada a actuação do antigo presidente da Câmara Municipal de Miranda do Corvo e de todo o seu executivo, eleitos pelas listas do Partido Socialista. A amplitude das críticas aí veiculadas é muito vasta: a má qualidade da água, a falta de saneamento, o PDM ultrapassado, as placas nos monumentos como marca de vaidade, a zona industrial, as festas de verão, a Expo-Miranda, a feira do mel, especialmente estas últimas consideradas autênticos desperdícios de dinheiros públicos. São notícias a explorar porque transmitem a opinião demolidora de quem as escreve especialmente pela comparação com a sua acção.
A sua leitura deixou-me incrédula e a pensar que a frase, que muitas vezes se ouve em campanha eleitoral: são todos iguais (os políticos), querem é poleiro! Assenta que nem uma luva. Explicamos aos que fazem este tipo de comentários que não é assim, que ainda há pessoas diferentes mas alguns desempenhos tiram-nos a razão.
O mais recente exemplo é o boletim municipal que está a ser distribuído pelo correio aos munícipes de Miranda do Corvo. Constituído por 84 páginas impressas em papel de alta qualidade, inclui mais de 250 fotografias a cores e teve uma tiragem de 6500 exemplares. Este boletim usa ainda os meios da Câmara Municipal através do sector de Produção e Comunicação Audiovisual da CMMC, o que não sei se é bom por existir este sector numa câmara desta dimensão ou se é mau por agravar o custo de uma publicação supérflua. As fotografias são criteriosamente escolhidas para que não apareça alguma persona non grata, pelos dedos de uma mão contam-se as fotos em que isso acontece. Pelo contrário, aparecem as figuras que convém realçar, nada é deixado ao acaso. A obra do executivo é exaustivamente descrita e elogiada porque, está lá escrito, os eleitores, não os mirandenses, os eleitores, têm direito de exigir ser informados dos principais aspectos da gestão autárquica. Claro que ninguém da oposição foi ouvido, teve qualquer interferência ou foi informado acerca deste assunto. Foram completamente ignorados.
Quando em editorial se afirma: que o dinheiro é insuficiente para tantas necessidades; que defendem uma gestão rigorosa que evite desperdícios; que aos autarcas compete não esbanjar meios financeiros e humanos pelo que se lhes impõe uma definição criteriosa de prioridades, é difícil levar a sério uma publicação cara, que desperdiçou meios, sumptuosa. Falta contabilizar a quantidade de árvores abatidas para a produzir mas isso deixo para os ambientalistas.
O mais absurdo, o que não se entende, é como se repete, gastando incomparavelmente mais, um erro que foi ferozmente criticado nos jornais e nas sessões de câmara. Se o desperdício de um boletim vergonhosamente caro que só serve para fins eleitoralistas e para culto da personalidade não é motivo para embaraço, a falta de coerência, a vigilância a que somos sujeitos quando nos expomos a criticar ou o pudor de poder ser apanhada em falso deveriam ser motivos suficientes para nunca editar uma publicação deste género.
Falta esclarecer que todas as cópias que me foram oferecidas são artigos escritos pela actual presidente da Câmara Municipal de Miranda do Corvo, Dra. Fátima Ramos enquanto vereadora na oposição.
Muito bem prega Frei Tomás! faz o que ele diz, não faças o que ele faz…
Texto da autoria da vereadora do PS, Profª Ana Gouveia, publicado no Diário As Beiras.

publicado por psmirandadocorvo às 10:27
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 12 de Junho de 2008

Condecorações e outras distinções...

Condecorações e outras distinções…
“A Honra ao Mérito consiste num título de virtude dado a pessoas ou organizações que atingiram o reconhecimento público das suas actividades. Este reconhecimento surge, muitas vezes, de uma postura ética para com a sociedade, ou, ao menos, a um grupo relevante desta.”
Esta definição, retirada da Wikipédia, é do senso comum e reflecte com fidelidade o significado atribuído a estas duas palavras tão importantes quando pronunciadas isoladas, duplamente quando as juntamos.Em Miranda do Corvo, a 1 de Junho, dia do seu Feriado Municipal, a autarquia distingue com o Louvor ao Mérito diversas personalidades.
É no âmbito das suas profissões, das suas longas carreiras, dos seus feitos desportivos, da sua coragem, do seu conhecimento, enfim, dos êxitos que alcançaram e os tornaram notáveis ao longo do ano ou da vida, que mereceram ser reconhecidos. Este ano não foi excepção e com uma ou outra falta lá estavam todos presentes para receberem o reconhecimento ao seu valor.
No meio de tantos prémios justos atribuídos a pessoas boas que realmente contribuem ou contribuíram durante uma vida profissional activa para o engrandecimento de Miranda do Corvo, escondeu-se um, que é uma verdadeira vergonha, uma aberração no meio de todos pelo seu cariz, pela sua origem. Esse prémio foi atribuído ao marido da presidente, seu chefe de gabinete. Um prémio de honra ao mérito, proposto pelos seus pares, com os votos contra da oposição, o único com votos contra, por ele ter saído ileso num processo de averiguações. Este processo foi pedido pelos vereadores da oposição e seria uma normal averiguação na defesa da transparência de atitudes.
Na sequência deste voto de louvor foi proposto, pelos mesmos, um voto de censura, à vereadora da oposição, eu própria, por ser a “mentora” de tão grande “afronta” ao sr. engº. Uma mentira, uma suposição que pretendem suportar, sabe-se lá com que fim, quando existe um documento assinado e assumido por três pessoas, vereadores, mas teimosamente atribuído, por eles, só a uma.
Na sessão seguinte este engº galardoado com a honra ao mérito, passou mais de vinte minutos a insultar os vereadores da oposição, que se tinham ausentado da sala alegando que uma sessão de câmara não é um tribunal e que o chefe de gabinete não podia ser juiz em causa própria.
Com direito a um ponto especial na agenda da sessão de câmara, com a complacência do vice-presidente e de outro vereador do PSD, chamou cobardes e dirigiu-se de forma baixa e mal-educada aos vereadores do PS. Está tudo nas actas e não há lá nenhuma intervenção da mesa, dos ouvintes. Ainda há a possibilidade de mais surpresas depois de ser ouvida a gravação… quando ela for facultada, porque isto já se passou em Abril e até agora ainda nada foi facultado!Como é que uma pessoa consegue percorrer, o espaço entre o seu lugar e o local da recepção do seu troféu? Será que não pensa o que está ali a fazer entre tanta gente que lutou duramente pelo mérito que lhe estavam a prestar, sem pensar sequer nisso? Não teve vergonha de receber um prémio atribuído naquelas circunstâncias? O que é que este homem fez para ser reconhecido? Insultar e humilhar dá direito a prémios? É só o marido da presidente de câmara e seu chefe de gabinete. Nessa qualidade tem tempo de sobra para pensar em disparates. Mentes desocupadas sempre foram más conselheiras.Mas isto passou-se, acreditem.
A esmagadora maioria das pessoas que ali estava nem sonha que isto se passou e aplaudiu, será que aplaudia se soubesse?Graças a Deus tive outras coisas muito importantes para fazer neste dia e fiquei muito feliz por isso! Ou engolia mais um sapo ou lá estava outra vez, na rua em frente à câmara porque tinha abandonado a sessão, por muito solene que fosse!
Ana Gouveia
12/06/2008
Texto publicado no diário AS Beiras
publicado por psmirandadocorvo às 22:34
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Junho de 2008

Relatividade- Filhos e enteados


Não, não se trata da Teoria de Einstein que provocou profundas alterações na física clássica, nada de expectativas, trata-se simplesmente da constatação de factos que vamos relacionar porque têm origem na mesma empresa e merecem a nossa reflexão.
As expropriações de terrenos a particulares são reconhecidamente necessárias à causa pública. Tomadas as decisões para as obras é iniciado o difícil e moroso processo de expropriações. Difícil, porque os valores atribuídos às propriedades nunca são os esperados pelos proprietários que, sentindo-se espoliados, recorrem aos tribunais para defender os seus direitos.
Vamos aos factos.
As Águas do Mondego estão a iniciar em Miranda do Corvo os trabalhos de abastecimento de água à vila. A empresa que trata das expropriações está a fechar os contratos com os proprietários a dois euros o metro quadrado por terrenos de reserva florestal.
Para começar de uma forma positiva destacamos o preço unitário dos terrenos, igual para todos o que não provoca discórdia,
O ponto negativo tem a ver com a perspectiva do copo meio cheio e meio vazio. Para o expropriante o terreno é bem pago, para o expropriado está abaixo do seu valor.
Analisando do lado do proprietário é o investimento de uma vida, um rendimento que passa de geração em geração como um pé-de-meia para uma necessidade mais premente.
Em contraste com a sovinice destas expropriações está o relatório e contas da empresa de 2006 e aí começamos a pensar melhor e a fazer outro tipo de contas ao verificarmos as elevadíssimas remunerações atribuídas aos membros dos órgãos de administração da Sociedade.
Para parte deles esta não é a sua principal ocupação e interrogamo-nos para que é preciso tão alargada administração pois alguns só se devem conhecer numa ou noutra reunião, para fazer jus à remuneração e regalias…
Vamos então ver o que cada um recebeu: Presidente do Conselho de Administração 15.614,36 euros; Administrador executivo I 86.508,66 euros; Administrador executivo II 71.904,45 euros; Administradores não executivos I e II 11.944,52 euros. Vendo ainda melhor, os directores não executivos recebem quase mil euros mensais por fazerem parte, por inerência de funções, desta grande empresa.
Onde está afinal a moral da história? Os terrenos fundamentais para as obras, sem os quais elas não seriam possíveis e que significam muito para os seus proprietários é oferecida “tuta-e-meia”. A informação que se faz passar é de que são muito bem pagos, que nem vale a pena recorrer à justiça porque é só gastar dinheiro e não se adianta nada, isto é, come e cala! Por outro lado, o administrador não executivo recebe, cada mês que passa, o equivalente a um terreno de quinhentos metros quadrados!
Tudo é relativo: é fundamental o abastecimento de água potável às populações, são importantes os cargos e a remuneração atempada dos administradores, que se lixem os proprietários que ficam sem os terrenos e que no futuro vão pagar a factura da água ao mesmo preço que os outros, ao menos que seja potável!
Texto da autoria da vereadora do PS, Profª Ana Gouveia, publicado no Diário As Beiras.
publicado por psmirandadocorvo às 16:53
link do post | comentar | favorito

XVII EXPO-MIRANDA

Ontem, em Miranda do Corvo, realizou-se a abertura oficial da Expo 2007 que decorrerá até ao dia 3 de Junho.
A sua primeira edição, em 1991, foi obra do Dr. José Lopes enquanto Presidente da Câmara Municipal. Uma feira com a dimensão possível para a época que tinha como objectivo mostrar as potencialidades do Concelho em várias áreas: serviços, agricultura, comércio, indústria, artesanato, cultura, colectividades e gastronomia.
Integrando o Feriado Municipal, 1 de Junho, foi desde sempre um local de encontro dos mirandenses nas noites amenas de Primavera.
Nos primeiros três anos realizou-se em recinto aberto, a partir daí trancaram-se as portas: para maior segurança dos expositores e visitantes, na versão oficial, mas também para minimizar as despesas que um evento destes acarreta.
A diversão, com base na “prata da casa”, pretendia manter a feira viva e atrair pessoas que de outra forma não a iriam visitar. Fez-se, em pouco tempo, um espaço privilegiado de exposição, de compra e de venda.
Como muitos negócios são feitos à volta da mesa, as tasquinhas começaram timidamente a aparecer como uma mostra da gastronomia da região. Depressa se propagaram e agora são uma oportunidade para muitas colectividades angariarem verbas que escasseiam ao longo do ano.
Acompanhando a dimensão regional que adquiriu, os cartazes de entretenimento começaram a ser cada vez mais ambiciosos mas o crescimento da exposição justificava a vinda de nomes sonantes.
O prestígio que granjeou aumentou o número de expositores de tal forma que já escasseava espaço para os colocar.
Mas o certame evoluiu de uma forma contrária aos objectivos iniciais, isto é, o comércio e indústria que lhe davam vitalidade e consistência passaram para segundo plano dando a primazia à parte do divertimento. Por caprichos da economia ou por opção dos organizadores, o que era uma forma de atrair gentes passou a ser a vertente mais forte da feira.
As mudanças são significativas: os bares multiplicam-se, maiores ou menores, vendem muita cerveja e shots para atrair o público mais jovem; a publicidade feita aos artistas e o destaque que lhes é dado ofuscam muitos festivais de Verão; as bancas de marroquinaria proliferam; aumenta o número de tasquinhas. Há pouco comércio e menos indústria porque não há oportunidades de negócio. Muitos continuam presentes para não quebrarem um hábito ou para não desagradar, os números dizem que os expositores têm vindo a diminuir.
Como há pouco para mostrar ao menos que haja música, que o povo se divirta. Os grandes negócios vão ter de esperar por melhores dias.
No cartaz de divulgação deixou-se cair a conta a quantas feiras já se realizaram, vá-se lá saber porquê! Será que foi opção do criativo ou chegaram à conclusão que têm de mudar o nome do que foi uma exposição e passou a ser um festival? Vamos esperar para ver.
Texto da autoria da vereadora do PS, Profª Ana Gouveia, publicado no Diário As Beiras.
publicado por psmirandadocorvo às 16:36
link do post | comentar | favorito

XVII Expo-Miranda (2)

Longe de mim estar hoje a repisar o mesmo tema de há quinze dias mas enfim, preciso rebater algumas ondas de choque que se formaram. Ondinhas direi eu, porque o choque não foi muito grande, a “bomba”, leia-se o artigo de opinião, não era de muita potência. Pensava eu que quase inócuo. Mas não, o facto de ter chamado a atenção para duas ou três coisas sobre o evento em epígrafe, parece que cometi um crime de Lesa-majestade. Tive direito a umas indirectas numa sessão solene, essa é que é essa! Pena foi que só descodificou as mensagens quem leu o artigo do dia anterior, não foram muitos na sala mas foram alguns.
Já poucas coisas me amedrontam.... Também não tenho o rabo preso em lado nenhum e para ter sucesso nas áreas em que me movimento tenho de dar o litro, suar as estopinhas.
Sou uma Mirandense que só foi nascer a Coimbra porque já nessa altura era um bocado atravessada e não nasci em casa como os meus irmãos. Tenho servido, desde sempre as gentes da minha terra dentro das minhas possibilidades e conhecimentos. Tenho, por estes motivos e por muitos outros que seria desinteressante enumerar, legitimidade para criticar ou chamar a atenção para o que me apetecer sem ter de ser recriminada por isso.
Tudo a propósito da XVII Expo-Miranda que ousei criticar porque o certame derivou completamente dos objectivos que levaram à sua criação.
Quando escrevi o artigo, acentue-se de opinião, ainda não tinha aberto a Expo, motivo pelo qual, procurei ser cautelosa e dar o benefício da dúvida à autarquia e à organização. Depois de uma primeira visita, na abertura, verifiquei que fui demasiado benevolente, quase caricata.
É verdade, referi-me à parte festivaleira e nem esta se salvou dos escombros. O que marcou pontos foram as tasquinhas. Umas mais que outras, porque não é fácil estar ao lado dos Bombeiros de Miranda que, pela causa que abraçam, pela simpatia que granjeiam e pelo dinamismo que imprimem à sua actividade, são imbatíveis. Outros houve que não ganharam para o gasto da deslocação.
Mas continuemos, a indústria foi quase invisível, ou seja, foi o reflexo perfeito da zona industrial que temos. Não posso dizer que não esteve lá nada representado mas posso garantir que foi quase nada. O comércio estava representado através de pouquíssimos comerciantes alguns dos quais nem sequer eram do Concelho.
As colectividades e escolas continuaram a marcar presença com as suas exposições, muitas delas com muito bom gosto e imaginação.
Tirando os pequenos grupos que se juntavam à volta das suas colectividades e as enchentes à hora dos dois espectáculos mais mediáticos, pode-se dizer que a feira estava muito triste. Para não falar de casos de muito mau gosto que ocorreram, pouco dignificantes para o certame mas dos quais me abstenho de falar porque estão a ser deslindados para se apurarem responsabilidades.
Os jornais já transcrevem o pensamento dos responsáveis quando fazem o balanço, falam do carácter lúdico e da vertente mais cultural do evento, o que significa que no artigo que escrevi tive razão.
Como as anteriores, estas críticas poderiam servir para melhorar, para repensar seriamente as próximas mostras.
Ninguém é indiferente a críticas. Uma forma de conviver com elas é usá-las para aprender, melhorar e corrigir.
Caem em saco roto nas pessoas que só olham para o seu umbigo porque pensam que são os donos da razão. Aos que só ouvem os que os rodeiam, os apaparicam e os bajulam com medo de perder algum tacho ou de parecerem ingratos.
Miranda não vive só de inaugurações ou outras festas com música e foguetes. Essa é a parte que recria o espírito de quem trabalha e precisa de descansar e de se divertir, uma parte imprescindível mas não vital. Miranda precisa de uma Expo que a dignifique, onde estejam presentes a sua cultura, as suas tradições mas que tenha uma parte comercial e industrial saudável e robusta.
O seu povo precisa de muito mais investimento que gere emprego. Precisa de melhores, muito melhores, condições para agarrar as suas gentes à terra e para acolher as pessoas que a demandam à procura de uma vida com qualidade.
Texto da autoria da vereadora do PS, Profª Ana Gouveia, publicado no Diário As Beiras.



publicado por psmirandadocorvo às 15:12
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds